TX RX Fórum
Registe-se, faça a sua apresentação e terá acesso total ao TX&RX Fórum. ___________________________ Apresente-se dizendo quem é, escreva algo sobre si. Exemplo: Nome, indicativo, nome de estação, localidade, o que mais gosta de fazer no mundo das radio-comunicações e outras coisas que ache importante para a sua apresentação. Se é novato não tenha vergonha de o dizer, pois cá estamos para o ajudar.
___________________________ O TX&RX Fórum destina-se à publicações de mensagens "posts" relacionados com todos os assuntos sobre Radio Frequência. Essas mensagens têm como objectivo promover ideias, experiências, projectos, esclarecer duvidas, divulgação de actividades e publicações de novidades sobre Radio Comunicações.
Divirta-se!!
Siga no Facebook

RELÓGIO



Divulgação


Contribuição de PY1TTN - Humberto EQUALIZAÇÃO - I

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Contribuição de PY1TTN - Humberto EQUALIZAÇÃO - I

Mensagem por ALF007 em Qui 6 Dez 2012 - 2:51

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
(Estação de PY1TTN - Humberto)

Introdução:

Os exemplos, sugestões e ensaios descritos no decorrer deste esboço, Equalização I e mais à frente Equalização II, fazem parte de estudos efectuados ao longo do tempo e podem ser aplicados a qualquer banda passante de transmissão, porém se adaptam com mais facilidade às larguras de banda maiores ou iguais a 2900hz, ou àqueles equipamentos que porventura possuem capacidade de desenvolvimento para tanto.

Qual é a acepção da palavra Equalizar?

Ajustar ou corrigir uma determinada faixa de freqüência, tornar igual ou uniforme, ato ou efeito de uniformizar.

Significado eletrônico de equalização:

Atenuação da distorção de um sinal por meio de circuitos compensadores capazes de reforçar a intensidade de algumas freqüências e diminuir a de outras.

Para os significados descritos acima, aparece um atributo essencial para a equalização correta, ou seja:

Sensibilidade

Dentro de uma boa curva de equalização, 80% dizem respeito à sensibilidade, aliada à paciência do operador que está equalizando e os outros 20% se referem aos conhecimentos técnicos e teóricos. Estes dois últimos são de fácil entendimento conforme veremos mais adiante.

Os equipamentos de amador, no quesito TX em SSB, foram, são e continuarão a ser fabricados enfatizando a inteligibilidade das frequências médias.

Esta característica é explicável, pois o ouvido humano não percebe as diferentes faixas de freqüência, graves, médios e agudos da mesma forma. Existe uma selectividade na captação dos sons e quando o sinal sonoro é propagado, nosso ouvido automaticamente reforça as frequências médias em detrimento das frequências graves e agudas. A maior selectividade do nosso aparelho auditivo aparece entre 2.000 hz e 3.000hz.

Resumindo de forma singela: As frequências altas incrementam a fidelidade, as frequências médias altas e médias proporcionam inteligibilidade, as frequências médias baixas promovem a sustentação da fala e as frequências baixas proporcionam o peso apropriado.

A inteligibilidade dos sinais sonoros está muito mais ligada à forma como o ouvido reconhece estes sinais, do que com o volume destes sinais, ou seja; DB.

A nitidez e profundidade sonora contida em uma curva de equalização, estão directamente relacionadas à uniformidade das frequências ao longo desta curva.

Melhorando a resposta dos médios e médios altos, que estão compreendidos na faixa de 500 Hz a 3.000 Hz, poderemos obter a clareza que procuramos com a equalização.

Isto não quer dizer, que na maioria das vezes, devamos melhorar a resposta dos médios, aumentando o ganho em DB, pois os transceptores já respondem fortemente a estas frequências, mas fazendo com que a resposta das frequências altas e baixas não ultrapasse o ganho ideal.

Aumentar a resposta de uma frequência ou um range de frequências, necessariamente não significa aumento em DB destas frequências, mas sim uma redução no ganho das frequências que estão atrás e na frente, desta(s), dentro da curva.
Se existe o desejo, por exemplo, de aumentar a reposta em 2500 hz, com o aparecimento de inteligibilidade da voz, que tal diminuir um pouco as frequências em torno de 160 hz e 200 hz. (?)

Factos habituais:

1) Às vezes encontramos falta de definição na transmissão, que tem equalização externa, apesar do ganho em DB de determinadas frequências, que espelham claridade, estar alto;

2) Também pode ocorrer o contrário, ou seja: O ataque exagerado nos médios altos e nas frequências altas fazendo com que a resposta no áudio fique extremamente sibilante.

É muito comum o fato 1 ocorrer, pois o pilar de sustentação da fala é a fundamental da voz, e esta frequência está presente entre 80hz e 160hz, (homem adulto), espaço que compreende o final da faixa dos graves e o começo da faixa dos médios graves. Estes últimos se caracterizam pelo “crescimento do áudio” o chamado “boom” que aliado à firme resposta de fábrica dos transceptores, a estas frequências, aumenta a curva de potência, todavia carregando uma TX sem claridade.
OBS: Para as mulheres e crianças a fundamental da voz pode chegar a 300hz.

De outra forma, o fato 2, também corriqueiro, aparece, e este é mais grave, pois existe claridade na curva mais sem resposta de sustentação e com um agravante, ou seja: Um sopro na resposta das frequências médias e altas, produzindo um silvo agudo e prolongado.

Assim, caso não haja o devido equacionamento, dentro da curva, causando a falta de nitidez acima citada (fato 1), o operador se vê na “obrigação” de aumentar o ganho das frequências médias e altas (fato2) desencadeando um novo desequilíbrio na curva de equalização e mais um ajuste será necessário nas baixas e na parte da fundamental. Ou seja, ajuste encima de ajuste fazendo com que se perca o norte necessário para a correta equalização.

Sugestão:

Equalizar a resposta na transmissão começando das frequências altas para as frequências baixas, nos preocupando com a profundidade e claridade necessária, sem excesso nas frequências atas e médias, para posteriormente colocarmos, na equalização, a sustentação da fundamental e por ultimo o peso adequado.

Acções:

Basicamente três ações devem ser executadas, com a utilização de equalização externa, nos transceptores de amador, para a transmissão em SSB:

1ª) Aumentar a intensidade da resposta nas frequências baixas;
2ª) Reduzir a intensidade da resposta nas frequências médias, sem perder inteligibilidade;
3ª) Aumentar a intensidade da resposta nas frequências altas,

De que maneira devemos realizar as acções acima:

Isto não é uma receita de bolo, pois estamos lidando com transceptores que hoje em dia vêm de fábrica com um pacote digital (DSP) previamente definido e controlado via software, sem muito espaço para o alargamento da banda passante de transmissão, chegando ao máximo a 3000hz, salvo algumas exceções.
Entretanto as três ações devem ser seguidas, pois é possível se conseguir resposta diferenciada, utilizando equalização externa, com um mínimo de 2900hz de banda passante na transmissão.

A curva de equalização abaixo foi traçada utilizando-se um Equalizador Paramétrico da marca Behringer modelo Feedback Destroyer 1100, e retrata exactamente as três acções que devem ser executadas na equalização.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Frequências Baixas: Ênfase a partir dos 50hz com ganho de 13 dbs. À medida, que nos aproximamos dos 100hz existe redução nos decibéis, e neste ponto há uma atenuação por volta de 8 dbs;

Frequências Médio Graves: Atenuação em torno de 10 dbs na frequência de 125hz e o ponto mais baixo da curva, 160hz, fundamental da voz, para esta curva, com atenuação de 13 dbs, traduzindo nitidez (bom timbre);

Frequências Médias: Entre 320hz e 500hz existe linearidade com tendência de alta, contudo a atenuação é de 8 dbs, o que não significada falta de claridade.

Frequências Médias Altas: Em 2500hz o ganho já é de 6 dbs;

Frequências Altas: Ganho de 13 dbs em 3150hz.

A curva de equalização varia muito entre os transceptores de amador, em função da resposta de áudio que cada fabricante emprega nos projectos dos equipamentos e também em relação às características da voz de cada operador. Por estes dois motivos é bem provável que um SETUP, que esteja servindo para uma estação não seja a configuração mais adequada para outra transmissão.

Audição:

Outro ponto que pode passar despercebido, é a modificação existente na distinção sonora, na medida em que vamos escutando e também quando aumentamos o ganho em DB de determinada frequência que queremos escutar.

Com o passar do tempo, e com aumento da intensidade sonora, nosso sistema auditivo iguala as faixas de graves e agudos à faixa dos médios. Esta igualdade acontecerá até que as frequências estejam no mesmo nível.
Por esta razão é necessário que tenhamos espaços de descanso regulares, entre uma e outra passagem na composição da curva de equalização, para que assim estejamos sempre aptos a discernir a qualidade sonora que estamos procurando.

De modo comum, encontramos alguns colegas retocando a equalização após algumas horas de escuta no monitor e no dia seguinte, ou horas depois de descanso, retornam à configuração anterior.

Isso acontece, pois o ouvido fica “viciado” com uso do headphone, com a monitorização prolongada, e de certa forma deixamos de ser precisos o suficiente, para distinguir os timbres, ou seja, a diferença entre os sons, embora estes estejam na mesma altura. Estando na mesma altura, estão uniformizados, sendo assim não precisam ser corrigidos.

Portanto, é fundamental que tenhamos espaços livres entre uma e outra construção de uma curva de equalização, para que assim descansemos o aparelho auditivo e não nos enganemos com os pseudo-sons escutados.

Equalizadores:

O equalizador tem em sua estrutura vários filtros electrónico e estes possuem circuitos que trabalham entre si determinada faixa de frequência. Estas frequências são pré-determinadas e demarcadas por frequências de corte. Através destes filtros podemos impor ganho (DB) e também atenuação (DB), tornando a resposta de freqüência mais ou menos intensa para o trabalho que desejemos realizar.

Tipos de equalizadores:

Os equalizadores podem ser gráficos ou paramétricos.

Equalizadores Gráficos:

Podem ser classificados de três diferentes categorias, são elas: Equalizador de oitavas, de meia oitava e de um terço de oitava.

Oitava é o intervalo entre duas frequências onde a segunda é o dobro da primeira, ou seja, no intervalo de 100hz a 200hz, esta última, 200hz, é a oitava de 100hz.
A oitava da frequência de 400hz é a frequência de 800hz e assim sucessivamente.

Quanto mais divisões de oitava o equalizador gráfico tiver, mais ajustes o aparelho possuirá. Geralmente um equalizador gráfico de oitavas tem 10 bandas, os de meia oitava têm 18 e os de um terço de oitava possuem 31 ajustes.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Estes equalizadores são bem simples de serem controlados, pois os potenciómetros estão dispostos na frente do aparelho, com as frequências previamente definidas e o desenho da equalização pode ser traçado e alterado na medida em que se for plotando a curva.

Equalizadores Paramétricos:

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

A onda sonora tem características básicas, tais como: Frequência, amplitude, largura de banda e o período em que ela se propaga.

Na equalização paramétrica, a curva é traçada através de filtros, como na gráfica, contudo a diferença está na quantidade. Enquanto um equalizador gráfico pode chegar a ter 31 filtros, os paramétricos podem trabalhar com três somente, podendo chegar a dez filtros e estes atuam nos parâmetros básicos do sinal senoidal, que são: Amplitude (Nível (dB)), Frequência (F), Ajuste fino da frequência (Fine) e Largura de banda (BW).

Amplitude:

Actuamos neste parâmetro aumentando (reforçando) ou diminuindo (atenuando) o ganho em dB de determinada frequência.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Abaixo um exemplo, com a utilização de um equalizador paramétrico, reforçando a frequência de 63 hz, com ganho de 16 dbs e atenuando a frequência de 300hz com o ganho de -16 dbs.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Freqüência central (F) e Ajuste fino (Fine):

Na equalização paramétrica, como na gráfica, podemos definir a frequência de operação, porém com muito mais precisão.
Os EQs paramétricos utilizam filtros passa-faixa, com frequência de corte inferior e posterior que delimitam a faixa de ataque exacto, permitindo que se trabalhe toda a gama de frequência entre esses dois limites.
A frequência central é aquela que está compreendia no meio da faixa e podemos variá-la para baixo ou para cima

Exemplo:

Caso a frequência central seja a de 500hz, com a utilização do equalizador paramétrico, modelo Feedback Destroyer DSP1100, podemos variar a frequência para baixo até 390hz e para cima até 620hz, com a utilização do ajuste fino ou Fine.
A vantagem é permitir, neste tipo de função, a possibilidade de ataque exactamente sobre a frequência, com a qual o usuário quer trabalhar, fazendo com que a actuação do equalizador seja precisa.

Largura de banda (Bandwidth/BW):

Este parâmetro é caracterizado pela diferença entre a frequência superior e inferior e informa a selectividade do filtro. O filtro não permanece focado somente na actuação da frequência com a qual queremos trabalhar, mas também possui a capacidade de actuar nas frequências vizinhas.
A Bandwidth ou BW, como é costumeiramente tratada, varia geralmente entre 0,02 a 2 oitavas. Variando estes valores, maior largura de banda ou menor largura de banda, aumenta-se ou diminui-se, respectivamente, a capacidade de acção do filtro sobre as frequências vizinhas.
*** Existem equalizadores paramétricos que trabalham com 3 oitavas

Abaixo um gráfico que demonstra a influência da BW em relação à freqüência central, ou seja, com a qual estamos trabalhando.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

A linha azul demonstra a freqüência de 500hz sendo traçada com BW de 0,1 de uma oitava e a linha verde com a mesma freqüência sendo impactada com 2 oitavas.

Reparem que a abrangência da linha verde sobre as freqüências acima e abaixo dos 500hz é muito maior do que o campo de ação da linha azul.

Na linha verde, por exemplo, as freqüências de 250hz e de 1000hz são atacadas com ganho da ordem de 4dbs, enquanto a largura de banda da linha azul sensibiliza somente as freqüências compreendidas entre o espaço de 390hz a 620hz. A diferença básica entre as duas curvas é a seletividade dos dois filtros que embora utilizem a mesma freqüência central, possuem abrangências distintas, em função da BW empregada, pois o âmbito da linha verde é bem superior ao da linha azul, para a freqüência de 500hz.

Conclusão:

Com as informações colocadas no decorrer deste trabalho, terminamos a apresentação dos conceitos da equalização gráfica e paramétrica, pois de maneira simples e direta conseguimos abordar e desenvolver as variáveis que estão contidas nesta que é a parte principal e indispensável ao processamento de áudio em SSB.

Na matéria denominada Equalização II, estaremos abordando algumas aplicações práticas do conjunto de opções e parâmetros referentes à construção de uma curva de equalização, que podem contribuir de forma diferenciada para a resposta dos transceptores de amador.


Escrito por: Humberto, [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

__________________________________
Qualquer duvida exponha no Fórum.
Vamos ajudar-lhe.
Com as suas duvidas, vamos aprender!
Por isso existe o
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]     ... 73's
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Siga o Facebook TX&RX Fórum
.... O meu canal
You Tube

Instagram
TX&RX DX Grupo
31TX007 - Classe 3
PMR265
avatar
ALF007
Administrador Fundador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum